terça-feira, 1 de abril de 2014

125 anos do golpe militar

neste 1o. de abril em que se registram os 50 anos do golpe militar de 1964 [ não se iludam quanto à data exata : o 31 de março foi inventado pelos golpistas para fugir ao 'dia da mentira', 'dia do engodo' ] neste 10. de abril, dizia, vale reportar ao primeiro golpe militar anti-institucional imposto ao país -- no qual, ao contrário de 1964,quando postaram-se, e durante os 21 anos da ditadura, contrários, opositores, até mesmo militantes,  os intelectuais e literatos oitocentistas de um modo geral puseram de imediato em franco apoio, mas logo logo desiludiram-se.enquanto isso,  o povo "bestializado", cf. José Murilo de Carvalho, inerte e amorfo, indiferente -- ao passo que no segundo golpe militar parte da população, representada pela classe média, ilusoriamente aplaudiu e saiu às ruas...
                                                              _____________________

Os literatos e o golpe de 1889

Embora não tenha produzido correntes ideológicas próprias ou novas concepções estéticas, a geração de intelectuais, solidamente arraigados nas teorias cientificistas de 1870, e todo o espírito progressista da época pareciam estar com a República, apoiada pela maçonaria, pelo positivismo e pelas correntes que se julgavam “desassombradas de preconceitos”, as idéias circulando mais livremente num ambiente que Evaristo de Moraes  qualificou de “porre ideológico” , um verdadeiro  mosaico no qual era predominante o liberalismo,mas que abrigava  alguma voga de anarquismo e simpatias explícitas ao socialismo. Sob os  princípios genéricos do liberalismo, o grupo intelectual definira a tarefa que lhes cabia ; contribuir e propugnar por uma ampla, profunda ação conjunta  para construir a nação e remodelar e fortalecer  o Estado.
Já no 15 de novembro de 1889  registraram sua total adesão : numeroso grupo de republicanos,junto com gente da rua, tendo à frente José do Patrocínio,Aníbal Falcão,  João Clapp,Campos da Paz, Olavo Bilac, Luis Murat e Pardal Mallet - estes três pela primeira vez movidos à ação política concreta-- dirigiu-se à sede da Câmara, aos gritos de viva à República, e redigiram moção de apoio aos chefes da insurreição militar nestes termos :
           “Os abaixo assinados,órgãos espontâneos do povo do Rio de Janeiro, representam o governo provisório,instituído após gloriosa revolução que ipso facto extinguiu a monarquia no Brasil,a necessidade urgente da proclamação da República.
             Excelentíssimos srs. representantes supremos das classes militares do Brasil, marechal Deodoro da Fonseca,chefe de divisão Wandenkolk e tenente-coronel dr. Benjamin Constant.
            O povo do Rio de Janeiro, reunido em massa no edifício da Câmara Municipal, tem a honra de comunicar-vos que, por meio de diversos órgãos espontaneamente surgidos e pelo seu representante legal, proclamou  como nova forma de governo nacional a República.
            Esperam os abaixo assinados,representantes do povo do Rio de Janeiro, que o patriótico governo provisório sancione o ato pelo qual,instituindo a República, se pretende satisfazer a íntima aspiração do povo brasileiro. Viva a República Brasileira ! Vivam o Exército e a Armada nacionais ! Viva o povo do Brasil !
O entusiasmo adesista dos intelectuais era generalizado; em outro manifesto, dirigido ao Governo Provisório instalado a 16 de novembro, assinado por alguns homens de letras em 22 de novembro :
          “O povo, e quando dizemos povo referimo-nos àquela grande parte da nação que os aristocratas de todos os tempos chamaram desdenhosamente o terceiro e quarto estado, donde, reparai bem, em sua maioria saiu sempre o nosso glorioso Exército; os homens de letras, e quando dizemos os homens de letras referimo-nos a todos aqueles que tomando a si os encargos intelectuais da pátria foram, no curso de quatro séculos, os fatores  mais enérgicos e mais desinteressados de nosso progresso; plebe e pensadores, sempre estas duas forças caminharam aqui unidas !... Agora mesmo no fato extraordinário que é o espanto da Europa e o júbilo da América na proclamação da República,as duas grandes forças lá estão ungidas uma a outra... A era das grandes lutas da política responsável abriu-se definitivamente para os brasileiros... A pátria abriu as largas asas em direitura à região constelada do progresso; a literatura vai desprender também o vôo para acompanhá-la de perto. Ao futuro ! ao futuro,modeladores de povos,construtores de nações !
No clamor pela ampliação da atuação do Estado sobre a sociedade aliavam-se a homens públicos, políticos, jornalistas, até mesmo cafeicultores e industriais ,e a esse grupo juntar-se-ia  os grupos militares defensores e sequiosos de maior participação dos militares na política—  o que mais tarde não causaria surpresas quando do progressivo e acentuado  fortalecimento dos governos republicanos a partir de Floriano Peixoto.
As reformas que preconizavam, no entanto, perderam-se no processo político republicano. Na consolidação do novo regime ,dando-se por meio de um processo caótico e dramático, malograram-se seus esforços cientificistas ,reformadores, inovadores na criação daquele ‘saber sobre o brasil’. 
Cedo, muito cedo, já nos primeiros anos do século XX desiludiam-se  : “Está tudo mudado: Abolição, República... Como isso mudou ! Então, de uns tempos para cá parece que essa gente está doida”, vaticina Isaias Caminha , sob a pena de  Lima Barreto. José Veríssimo, em “Vida literária” (revista Kosmos, n. 7,1904) , descreve : “Todos se presumiam e diziam republicanos,na crença ingênua de que a República, para eles palavra mágica que bastava à solução de problemas de cuja dificuldade e complexidade não desconfiavam sequer, não fosse na prática perfeitamente compatível com todos os males da organização social, cuja injustiça os revoltava”. Ainda em outubro de 1890, antes do primeiro aniversário do 15 de novembro, desencantava-se Silva Jardim, lamentando em carta a Rangel Pestana : “Comunico-lhe que parto para a Europa, a demorar-me o tempo preciso a que esta País atravesse o período revolucionário de ditadura tirânica e de anarquia...” . “Esta não é a República de meus sonhos”. lamentou-se Lopes Trovão, um dos próceres do movimento republicano. “Foi para isso então que fizeram a República ?”, protestou Farias Brito.
 Difícil de manter uma convivência pacífica entre a República política e a ‘Republica das letras’, agravado pela crescente insatisfação popular com o novo regime, exposta  em agitações de rua,  episódios violentos, revoltas e movimentos de protesto – e mais ainda com os novos costumes e práticas de desenfreada especulação financeira, a busca  de enriquecimento a qualquer custo,o advento de um capitalismo predatório levando ao encilhamento, a escandalizar Taunay que via “uma degradação da alma nacional  e a decepcionar republicanos ardorosos como Raul Pompéia (“A república discute-se consubstanciada no Banco da República”).
No campo político, até que mantiveram-se passivos diante da “ditadura tirânica” e aceitaram as coligações de Deodoro da Fonseca com as forças mais conservadoras  do Brasil agrário, mas as esperanças esfacelaram-se diante da índole e prática repressoras do governo Floriano Peixoto , quando se deu um cisma profundo entre os literatos e alguns dos antigos entusiastas da República tiveram de fugir do Rio de Janeiro para evitar a prisão, como Olavo Bilac e Guimarães Passos. Passado o momento inicial de esperança, desfeito  o caminho almejado da democratização do País prometida em comícios, conferências públicas,na imprensa radical, consolidada a vitória da ideologia reforçadora do poder oligárquico, derrotados,desapontaram-se as elites, desapontaram-se os trabalhadores e o povo, desapontaram-se os  intelectuais , que desistiram da política militante e se concentraram na literatura.



quarta-feira, 26 de março de 2014

Machado de Assis, a mulher, o amor

ainda em pleno "mês da Mulher" -- não apenas março, mas que devem ser todos.
                                                                    __________________

Nenhum escritor de seu tempo  — Joaquim Manuel de Macedo (de A Moreninha e em inúmeros contos),  José de Alencar( notadamente na trilogia urbana Senhora, Diva e Lucíola, além das novelas  Cinco minutos e A viuvinha, e  A pata da gazela, Sonhos d'ouro, Encarnação), nem Taunay (em Inocência), Bernardo Guimarães (e sua Escrava Isaura), Domingos Olímpio ( com Luzia Homem), nem  Lima Barreto (de suas Clara e Castorina em Clara dos Anjos , Olga e Edgarda em Triste fim de Policarpo Quaresma , Efigênia em O cemitério dos vivos; Cecília de Diário íntimo , Cló, Adélia, Lívia em Histórias e sonhos; etc., das instigantes crônicas em torno do tema “Não as matem!”) — ‘edificou’ tanto a mulher como personagem capital e  elemento  básico de sua ficção  como Machado de Assis.
Tinha a mulher não apenas como principal, capital protagonista de seus romances e contos, muito mais que isso, verdadeiro leitmotiv --sempre chamando a  atenção, nas linhas e  entrelinhas de seus textos, para as necessidades e os direitos da vida afetivo-social, e mesmo sexual, da  mulher : argumentava que a mulher devia receber instrução e não ficar com­pletamente confinada à vida doméstica, tendo direito ao amor e à li­berdade.
Dava-a também como sua leitora predileta:  Machado sempre escreveu sobre mulheres e para as mulheres e não era segredo – pelo menos até 1881,quando consolidou a longa e profícua atuação nas páginas da Gazeta de Notícias -- preferir colaborar  em publicações cujo público predominante era feminino, primeiro no Jornal das Famílias  , de 1864 a 1876, e  de 1879 a 1885, e em 1892 e 1894 em A Estação.
Desde o primeiro livro publicado, Queda que as mulheres têm para os tolos, passando pelos primeiros romances na década de 1870, ,  na imensa maioria dos contos , na excepcional  novela Casa velha(1885),  chegando aos romances dos anos 1880 e 1900, sua obra, de modo geral, encena vários tipos feminino,  mulheres ficcionais,  orgulhosas ou tímidas, calculistas ou levianas, singelas ou complexas, “com seus contornos roliços, seus olhos onde a gente se perde como na escuridão da noite,  criaturas feitas de capricho e de carne, sobretudo de carne, tudo instinto, sem nenhum raciocínio”-- com histórias povoadas de muitas personagens e situações que mostram as alternativas com que as mulheres se defrontavam (e defrontam-se, quase sempre) na vida: assim é com  Lívia de Ressurreição,  Guiomar de A mão e a luva, Helena, Iaiá Garcia, Virgília e Marcela de Brás Cubas, Sofia de Quincas Borba, Capitolina de Dom Casmurro, Flora de Esaú e Jacó, Fidelia e Carmo de Memorial de Aires, além da profusão das protagonistas de inúmeros contos, como estes aqui expostos,  que abrigam vários tipos femininos e situações vivenciadas pelas  mulheres – fossem no século XIX sejam hoje (por certo, sob escalas distintas) -- podendo mesmo serem catalogados como  ‘estudos sobre a mulher”, ao revelarem  de forma soberba a mais aguda sensibilidade  de Machado no trato de questões que envolvem amor, ciúme, casamento, moral, ética, preconceito social, autoritarismo, patriarcado.
 O amor é o grande tema, central e capital, na contística de Machado  -- essencialmente, os  amores e frustrações femininos como temas constantes  -- o   amor visto, tido e exposto como a única comunicação possível entre pessoas,quaisquer que sejam suas natureza, caracteres, etnia,classe social, e o casamento– e seu derivativo mordaz, o ciúme – são os elementos  basilares de Machado, presentes sem exceção em todos os  contos, vez por outra inserindo assuntos difíceis de serem tratados à época ,mas sempre em defesa da base moral do amor -- como relações afetivas e conjugais entre pessoas de classes sociais diferentes, incompatibilidades e embustes sentimentais,dissimulações e disfarces , etc.
No privilegiar a mulher como personagem primordial de sua ficção, Machado trabalhou o psicológico como nenhum outro escritor de seu tempo, preocupado com climas, ambientes, situações existenciais sutis e delicadas: as mulheres surgem como personagens de grande densidade psicológica, alimentando de forma rica e sugestiva sua temática preferida.
Especialmente a partir do final da década de 1870, sua obra  traz,   para o centro das discussões, a questão da afetividade  feminina : na ficção  machadiana surge  uma mulher que aspira  poder escolher a forma de sentir e amar, apesar de, quase sempre , não poder dizer de seu desejo.
No assimilar e incorporar  à sua obra ficcional os elementos de sexualidade feminina e de desejo inconsciente , Machado  remete a Freud,  estabelecendo como nenhum outro escritor brasileiro de seu tempo vetores e  pontos de interseção entre a literatura e a psicanálise :  desde  o início de sua criação ficcional em prosa, Machado traçou caminhos próprios e peculiares para tratar das relações entre os homens e as mulheres,  indo  muito além da visão ingênua dos românticos, do discurso dos realistas e naturalistas, criando um estilo de literatura não apenas de observação das  pessoas mas sobretudo de  interpretação, expondo das  pequenas coisas, das passagens a princípio inocentes,  um outro lado , que  muitas vezes  aludia à presença, sempre insidiosa, do inconsciente. Como sentencia Roberto Schwarz  , “Machado é um autor que em 1880 está dizendo coisas que Freud diria 25 anos depois. Em Esaú e Jacó, por exemplo, antecipou-se a Freud no ‘complexo de Édipo’”. Machado de Assis é o grande  autor do romance psicológico brasileiro do século XIX e do início do século XX.
Trazendo para o centro das discussões a questão da sexualidade feminina, Machado faz surgir nos romances e na maior parte  dos contos  uma mulher que quer poder escolher a forma de sentir e amar, apesar de, algu­mas vezes, ao não poder dizer de seu desejo — a maioria das mulheres da época vivia reclusa, tinha pouco estudo, e sua principal meta era um casamento com o que se chamava ‘um bom partido’; se houvesse amor, melhor, mas não era o principal, pois a questão do amor era secundária, era um luxo que muitas mulheres não tinham .
Especialmente a partir do final da década de 1870, seguindo a linha da litera­tura psicológica , seus heróis e heroínas  com seus eternos conflitos, complexos, dúvidas e hesitações, na ficção  machadiana surge  uma mulher que aspira  poder escolher a forma de sentir e amar, apesar de, quase sempre , não poder dizer de seu desejo.
Importante notar, como que a reciclagem de um processo  desenvolvido por longos 36 anos (desde Ressurreição, em 1872), em seu último romance,sua obra conclusiva –  Memorial de Aires --  a par de continuar a privilegiá-las, valorizá-las e enaltecê-las, Machado como que ‘redime’ as mulheres : não mais a figura  impulsionada pela emoção, a ponto de preferirem os tolos ao invés dos homens de espírito , mas a mulher proba, que pode ser amada e admirada.
A tríade tolo -- mulher --homem de espírito, que  permeia a ficção machadiana, sob uma teia dramatúrgica presente em contos e romances ao longo do tempo e de sua  evolução literária,transportada para muitas das obras ficcionais posteriores a 'ideologia' da obra Queda que as mulheres têm para os tolos  --  seu primeiro livro publicado, em 1861, intensamente  gerador de controvérsias e especulações, de imediato quanto ao gênero indefinido, de resto propulsor de acentuada polêmica desde sempre quanto a ser tradução ou criação original de Machado (o que eu sempre sustentei, por fatores vários que apontei e discorri em ensaio que escrevi a respeito : “Machado de Assis,o subterfúgio,o feminino,a transcendência literária”), recentemente dada como tradução segundo Jean-Michel Massa com base no panfleto publicado anonimamente  em 1859,  com o título “De l'amour des femmes pour les sots”, atribuído depois ao belga Victor Henaux .
A trindade habita intensamente a maioria dos contos do ciclo 1860 -79 , está nos romances Ressurreição,  A mão e a luva e  Helena , anuncia-se em certa  metamorfose na transição representada por Iaiá Garcia, transmuta-se inteiramente em Memórias póstumas de Brás Cubas e em Quincas Borba , reaparece sob enfática perspectiva em Dom Casmurro), por fim chega a seu ocaso nos derradeiros romances Esaú e Jacó e Memorial de Aires, neste a seara  da redenção total da mulher machadiana(protagonizada por Carmo), definitivamente apartada da preferência pelo tolo ao invés e em vez do homem de espírito. os tolos – para quem as mulheres têm acentuada queda (pelo menos no início...) -- são, via de regra, estroínas, praticam as fórmulas socialmente estabelecidas, sua linguagem assemelha-se à retórica romântica dos folhetins, ostentam autoconfiança, são determinados e objetivos nas ações afetivas, até mesmo fingindo sentimentos e aparentando paixões com o fito exclusivo de conquistar a mulher. Exatamente ao contrário dos homens de espírito, que  fracassam e são excluídos  por não se coadunarem com os padrões de postura, convenções  e relacionamento sociais e por acreditarem numa vida  além e acima do jogo estratégico de aparências falsas e artificiais – mas saibam que , numa espécie de aprendizado pelo fracasso, irão amadurecer,assumir  uma atitude de reflexão sobre a "realidade aética da vida" vis-a- vis com a desilusão com as possibilidades da vida moral e  transmutar-se no cético. a transformação do homem de espírito se dá no cenário das metamorfoses processadas na criação ficcional machadiana.
Apesar do ‘aviso’ dado em Queda... , alertando para o insucesso do romanticismo, praticado em diferentes níveis e objetivos, Machado indica, nas obras iniciais, o amor romântico como solução —embora o narrador insinue ser um meio ingênuo – para depois trilhar caminhos mais audaciosos, o casamento por interesse ou conveniência como forma de ascensão social (tema presente nos três primeiros romances e na maioria dos contos no decênio 1860-70) passando a ser não apenas um empecilho à concretização desse amor romântico mas  a mola propulsora da destruição, o problema – mais do que inerente a relações de ordem social -- passando a ser encarado sob a ótica mais ampla e universal  da própria condição humana.
Não por acaso na marcante década de 1870, pressentindo os novos tempos,convencido da necessidade crucial de mudança,já  alterando seu enfoque, sua temática,sua linguagem,seu estilo, sua estética literária,  Machado começa a apontar para o superficialismo das relações humanas, as pessoas (homens e mulheres) tendo de viver sujeitos a valores sociais que lhes são impostos e dos quais somente poderão se libertar com mudanças radicais de consciência, de atitude e de atos, dando início a um processo de reflexão que será plenamente desenvolvido nas obras posteriores – processo que o autor\narrador protagoniza no homem de espírito-personagem, que passa do  alheamento e  distanciamento,da desesperança e da  desilusão  às gradativas adaptação e interação com a realidade , daí assumindo postura reflexiva e consciente, por fim transformando-se no cético ;  no entanto, se o homem de espírito muda, amadurece, recusando terminante e objetivamente as mulheress que fingem e ostentam, a ‘nova’ mulher machadiana deplora a frivolidade do tolo e passa a se inclinar para o homem de espírito , o tolo  continua com sua frivolidade e estoicismo, servil das convenções sociais e atado ainda à retórica romântica. 
Machado, como supremo criador, atento e obediente aos ditames sociais dos novos tempos,  convoca o leitor à acurada reflexão sobre a preferência da mulher – quer a antiga quer a atual – e deixa-lhe a  responsabilidade do julgamento conclusivo..
 Transformam-se protagonistas, transmutam-se narradores e leitores, alteram-se formas e ritmos narrativos -- mudanças da mesma forma se dão na ‘ideologia’ temática : antes de 1880, os contos e os romances de Machado se centravam no namoro,paixão e casamento  o casamento,feliz ou infeliz, consumado ou não, bem-sucedido ou não, por sentimento ou interesse , ao passo que no pós-1880 aparecem com mais nitidez formas e situações de fragmentação e diluição do casamento : há mulheres que flertam com a idéia da infidelidade, mas acabam não o consumando : o mais importante a observar é que intencionada ou não, fomentada ou não, incentivada ou não, quase sempre platônica, a infidelidade afetiva  feminina é sempre contraposta, e redimida,  na redenção pelo amor -- o grande e central  tema da ficção machadiana ; todos os sentimentos impuros e espúrios,proibidos e reprováveis, se idealizados , ou cogitados,em nome dele são no final  por ele  regenerados.

A aguda e profunda visão machadiana das “coisas deste mundo” o fez constatar o quanto a mulher na sociedade imperial brasileira—reclusa e dominada, doméstica e servil-- era ‘anulada’ por sua própria condição feminina : se o mundo da mulher era limitado pelas paredes do sobrado, tratou de retirar do ócio social da mulher de sua época a essência da matéria ontológica de suas personagens.

Sem se constituir propriamente em explícito ‘defensor dos direitos da mulher’ – muito menos um ‘dialético feminista’. Pretenderia Machado de Assis o matriarcado ?—indagam e especulam muitos dos estudiosos machadianos. Seria Machado, afinal,  um ‘feminista’ ? –eu, particularmente,  não chego a tanto.
O certo, porém, é que em todos os aspectos, a cada leitura de sua obra nos damos conta da sutileza e da abrangência, sob todos os sentidos, do feminino confirmando-se como uma verdadeira, real categoria literária.













domingo, 16 de março de 2014

José de Alencar e a Mulher: ode aos perfis femininos

ainda pelo "mês da Mulher" -- que não é apenas março, mas devem ser todos.
                                   ____________________

 Ao lado de Coelho Neto e Olavo Bilac (e um tanto de Joaquim Manuel de Macedo), José de Alencar é um dos mais ‘injustiçados’ autores brasileiros , apesar de seu  excepcional valor literário ( inclusive quanto  à criação e defesa de uma “língua literária brasileira”, inserida no grande projeto de nacionalidade cultural dos românticos do século XIX).
Mas em tempos recentes, felizmente, denota-se um merecidíssimo, e obrigatório, reconhecimento. Importante que, inclusive – e essencialmente -- se reporte  a Alencar neste 2014 de seus 185 anos de nascimento (1.º maio 1829).

Nenhum escritor brasileiro foi (e é) tão versátil e eclético como Alencar, autor de romances (urbanos, indianistas, históricos, de costumes ), novelas, teatro, poesia, ensaios, artigos jornalísticos, memorialística. Nenhum escritor elevou o Romantismo literário brasileiro a  escalas  quantitativas e qualitativas como ele. E quase nenhum de seus contemporâneos (obviamente à exceção, preponderante, de Machado de Assis) soube, qual Alencar, captar e retratar tão bem o tempo histórico-político-social-cultural  do século XIX, no País.
A vasta obra ficcional de Alencar abarca toda a realidade brasileira : o indianismo , presente O guarani, Iracema e Ubirajara ; o urbanismo, retratado por A viuvinha, Cinco minutos, Lucíola, A pata da gazela, Diva, Sonhos d'ouro, Encarnação,  Senhora ; o regionalismo, expresso em O gaúcho, Tronco do ipê, Til , O sertanejo; o ao romance histórico, com As minas de prata, A guerra dos mascates, Alfarrábios.
Sobremodo a se destacar o quanto seus”perfis de mulher”,  em Cinco minutos e A Viuvinha -- suas primeiras obras ficcionais, publicadas respectivamente em 1856 e 1857 -- Lucíola, Diva, Senhora, A pata da gazela, Sonhos d'ouro — deram nova vida ao  romance urbano brasileiro.
Nas duas novelas iniciais Alencar põe mais alta a essência da feminilidade, mas  traçando o perfil da “mulher cordial,romântica, idílica”, distinto da “mulher cerebral”, depois desenhado em Lucíola e mais adiante  com rigor e plenitude em  Senhora --- para mim o melhor romance alencarino e uma das grandes obras da literatura brasileira.

Com Cinco minutos e A viuvinha, Alencar inaugurou a série de obras em que buscava retratar (e questionar) o modo de vida na Corte, construindo um painel da vida burguesa oitocentista -- costumes, moda, regras de etiqueta -- tudo entremeado por enredos onde amor e casamento são a tônica, neles circulando padrinhos interesseiros, agiotas, negociantes espertos, irmãs abnegadas e outros tipos coadjuvantes nos dramas de amor enfrentados pelo par amoroso central; em todos, a presença constante do dinheiro, provocando desequilíbrios que complicam a vida afetiva dos personagens e conduzindo basicamente a dois desfechos: a realização dos ideais românticos ou a desilusão, numa sociedade em que ter vale muito mais do que ser : em Senhora,  o exemplo perfeito e magistral , a heroína arrisca toda sua grande fortuna na compra de um marido; Emitia, a protagonista de Diva, busca incansavelmente um marido mais interessado em amor que em dinheiro; em Sonhos d'ouro, o dinheiro representa o instrumento que permitiria autonomia de Ricardo e seu casamento com Guida; em Lucíola,  a prostituição como tema e mote  mostra a degradação a que o dinheiro pode conduzir o ser humano.
 Também no teatro Alencar tratou da mulher – e no caso de modo polêmico: em 1858, três dias após a estréia, a peça “As asas de um anjo” foi proibida pela censura, que a considerou imoral : tendo como personagem central uma prostituta regenerada pelo amor [p.s.: no mesmo ano, mas três meses antes, Machado publicava no – importantíssimo ( sabem todos do meu estudo e pesquisa obstinada a respeito) – jornal O Parahyba, de Petrópolis, o histórico poema “Vem!”, pioneiro no presumir a regeneração da prostituição pelo amor], o enredo ofendeu a sociedade ainda provinciana de então. (o paradoxal é que o tema era popular e aplaudido no teatro da época, em muitas peças estrangeiras;  Alencar reagiu, acusando a censura de proibir sua obra pelo simples fato de ser ''. . . produção de um autor brasileiro. . .''-- mas sua reação mais concreta viria quatro anos mais tarde, com  Lucíola,em que o tema é retomado).
A reverência exigida por Alencar e sua obra expressam-se nas sábias  palavras de Machado de Assis :
"Quando entrei na adolescência, fulgiam os raios daquele grande engenho: vi-os depois em tanta cópia e com tal esplendor, que eram já um sol quando entrei na mocidade. Gonçalves Dias e os homens do seu tempo estavam feitos; Álvares de Azevedo, cujo livro era a Boa Nova dos poetas, falecera antes de revelado ao mundo. Todos eles influíam profundamente no ânimo juvenil, que apenas balbuciava alguma coisa; mas a ação crescente de Alencar dominava as outras. A sensação que recebi no primeiro encontro pessoal com ele foi extraordinária: creio ainda agora que não lhe disse nada, contentando-me de fitá-lo com os olhos assombrados do menino Oleine ao ver passar Napoleão. A fascinação não diminuiu com o trato do homem e do artista. Quem o lê agora, em dias e horas de escolha, e nos livros que mais lhe aprazem, não tem idéia da fecundidade extraordinária que revelou tão depressa entrou na vida.
 José de Alencar escreveu as páginas que todos lemos, e que há de ler a geração futura. O futuro não se engana.”


segunda-feira, 10 de março de 2014

Lima Barreto e a mulher

em pleno mês da Mulher -- que não é apenas março mas devem ser todos
                                                 ___________________

Feminista, emancipacionista; mas realista

Articulista, escritor, pensador, nunca silencioso sobre seu tempo, Lima Barreto  não poderia pois ficar alheio à situação da mulher na realidade social brasileira do início do século XX, época de tantas e profundas transformações na sociedade. Retratou e a fez personagem em contos e romances e escreveu sobre a mulher em artigos e crônicas, publicadas em jornais e revistas — sob um caráter de ambigüidade, ora a criticando, por vezes atacando, ora a defendendo, muitas vezes enaltecendo: diz-se “antifeminista”, põe-se abertamente contra os movimentos feministas, mas defende a necessidade de instrução para a mulher; repele o ingresso da mulher no serviço público (“.rendosos cargos para as mulheres das classes sociais mais favorecidas : e as reivindicações das operárias ?...”), mas defende o divórcio e  justifica com vigor o adultério feminino (ambos forma de revolta contra um homem opressor e uma concepção de  casamento instituída pela sociedade); imbuído da moral do seu tempo, retrata a mulher pela ótica comum, mas denuncia sua “absurda” situação de dependência aos homens.
Evidentemente que sua posição ‘pendular’ no enfoque da mulher brasileira do início do século XX é resultado e reflexo do momento histórico em que vivia, pleno de oscilações e mutações.
Longe, muito longe da falsa, equivocadissima acusação de misoginia, posicionava-se na realidade não contra a mulher em si, ou ao feminismo como movimento defensor e propugnador dos direitos da mulher, mas sim contra o feminismo então praticado por “lideranças medíocres e interesseiras”, um feminismo da moda, “feminismo bastardo, feminismo burocrático, feminismo de secretaria”, e sobretudo  contra os signos do progresso republicano : a rigor, insurge-se contra um feminismo de caráter elitista, que não propugnava por transformações sociais e visava apenas a interesses particulares dos setores privilegiados da sociedade. Lima Barreto  era, antes de tudo, crítico da mulher burguesa, esnobe, e ao contrário simpático à mulher proletária, suburbana.
Nesse sentido, um dos maiores enganos – para não dizer, bobagens -- que se possam cometer é considerar Lima Barreto como contrário aos movimentos e ações emancipacionistas da mulher – não foi em hipótese alguma , realçando que “(...) Não me move nenhum ódio às mulheres, mesmo porque não tenho fome de carne branca; mas o que quero é que essa coisa de emancipação da mulher se faça claramente, após um debate livre, e não clandestinamente, por meio de pareceres de consultores e auditores, acompanhados com os berreiros de dona Berta e os escândalos de dona Daltro. É preciso que isso se faça claramente, às escâncaras. Cada um, então, que dê sua opinião.(...)”[crônica “O nosso feminismo”]
Para ele o movimento feminista de então não propunha ou lutava pela defesa da mulher, era “frágil, inconsistente, inócuo, só se preocupava com perfumarias,acessórios  e inutilidades” ; desprezava a mulher operária e  reivindicações trabalhistas e sociais, divorciava-se da questão do ensino e da educação para a  mulher ; desvinculava-se dos problemas afetivos e conjugais da mulher e da  degradação do casamento imposto pelos homens e pela sociedade ;  mantinha-se completamente omisso diante do uxoricismo.
sexo forte,sexo frágil
Lima sempre conferiu  à mulher espaço significativo em sua obra ficcional e não-ficcional – retratando e  comentando a situação da mulher perante o casamento, a moral que lhe era  imposta pelo homem e pela sociedade, a desigualdade de julgamento do adultério masculino e do feminino,  a viuvez; as oportunidades educacionais e profissionais; a prostituição; o início do movimento feminista no Brasil.Se, de um lado, no conjunto de artigos e crônicas -- quer sobre feminismo, movimento feminino, voto feminino, direitos femininos, literatura feminina, quer em especial sobre mundanismo, moda, comportamento, hábitos femininos -- Lima destila permanente ironia crítica, de outro o retrato das mulheres elaborado em seus textos ficcionais mostra-as dependentes dos homens e submissas a ‘normas’ sociais da época, sim, mas em muitíssimas  vezes –  em outras, não -- com atitude e comportamento progressistas :  são elas superiores aos homens, exemplos de Olga em Triste fim de Policarpo Quaresma; Clara e Castorina em Clara dos Anjos;   Edgarda em Numa e a ninfa ,Efigênia em O cemitério dos vivos; Cecília de Diário íntimo , Cló, Adélia, Lívia e  outras em contos. .

“tema de Carmen”

Vale ressaltar, porém, que o suposto ‘antifeminismo’ barretiano tem sua contrapartida significativa: numa série de artigos e crônicas – a que ele denominou “tema de Carmen”[sic] -- a propósito de julgamentos de crimes ditos passionais : neles, Lima Barreto  defende veementemente a mulher e ataca os homens, os advogados e juízes que “se atribuem direitos sobre a vida das mulheres, direitos reconhecidos por júris que os absolvem”,   denunciando crimes de uxoricídio nos quais homens matavam “mulheres infiéis”— e pior eram absolvidos por “legítima defesa da honra” -- e alardeando  intransigentemente os direitos da mulher “que são,como todos nós, sujeitas, às influências várias que fazem flutuar as suas inclinações, as suas amizades, os seus gostos, os seus amores".
De modo geral, Lima interpretava, denunciando, a  atitude  violenta dos ho­mens  por força de eles se sentirem donos, proprietários das mulheres com as quais se rela­cionavam, não admitindo ser preteridos.Defendia com vigor a mulher e clamava  que as deixem amar à vontade, “não as matem, pelo amor de Deus !"(crônica “Não as matem”).
Incondicionalmente sustentava que devia-se,  isto sim, “condenar o matador conjugal”, que conforme a nefasta concepção dos crimes executados “em nome de uma honra familiar,lava- a matando a  mu­lher", a qual face à opressão de que via de regra era vítima,pelo homem e pelas ‘regras’ da sociedade, tem  todo o direito de não amá-lo mais. Repudiava  veementemente este tipo de crime --  crime muito mais grave do que o adultério era o do assassinato , ato premeditado, não movido por um impulso de momento -- pois "as constantes absolvições de uxoricidas dão a en­tender que a sociedade nacional, por um dos seus mais legíti­mos órgãos, a admite como normal e necessária" – em sessões nas quais era julgada não a atitude criminosa  do homem mas a conduta sexual da mulher, que de vítima tornava-se ré : defendia-se  o uxoricida atacando a  honra feminina,acu­sada a mulher  de “desavergonhada”.Acusava essa prática que além do mais funcionava  como um estímulo para que tais crimes continuassem ocorrendo: para ele, o julgamento de cri­mes de uxoricídio deveriam ser desvinculados da apreciação da conduta sexual feminina e da ideologia dominante que exi­gia do sexo feminino a fidelidade absoluta -- o que deveria ser sentenciado era o assassínio em si.

a mulher e a sociedade

A rigor, esses textos barretianos devem ser compreendidos a partir da posição de Lima face ao casamento e ao adultério – visto este como  forma de revolta da mulher contra a sociedade que lhe apresenta um homem como dotado de predicados excepcionais;  para ele, não proveniente de  motivação física, sexual, e sim originário da concepção de casamento instituída pela sociedade, cuja  única vítima é a mulher , impossibilitada de realizar nele a sua natureza sentimental, vendo-se obrigada, fora dos canais convencionais, a procurar o homem que deseja e a realize.
Lima Barreto, convém frisar,  respeitava o  casamento  e o entendia como o meio quase único de realização plena do sexo feminino – cita o alemão Krafft-Ebbing, “a profissão da mulher é o casamento”(crônica “A amanuense”): insistia na  imperiosidade da relação franca e elevada que deveria regular a vida matrimonial --“entre os dois só deve haver a máxima lealdade, todos os dois devem entrar na sociedade conjugal com a máxima boa vontade e admiração um pelo outro”-- em prol dos valores que caminhavam para o desaparecimento ou deterioração na sociedade burguesa da época.
Não deixava, contudo, de ater-se à realidade concreta do que era o casamento nessa sociedade republicana burguesa: para o homem, uma espécie de “transação comercial”, reduzindo a mulher, em última instância, a uma “escala para subir” – como Numa Pompílio de Castro, que só se casara com d. Edgarda Cogominho para  poder ascender na carreira política, já que o pai dela era um dos proeminentes políticos no meio nacional (novela Numa e a ninfa); em contrapartida, a mulher procuraria encontrar sua realização e dedicar-se a  um ‘homem superior’ – que a sociedade definia ser o  doutor, ela via de regra se deixando levar por essa equivocada conceituação, gerando,em certos casos, a decepção, que a induzia à busca de ‘alternativas’ : ao ter a revelação da face real do marido, desiludida no casamento, decepcionada, procurava fora do matrimônio alguém ‘superior’ a quem pudesse dedicar sua natureza sentimental  insatisfeita. -- caso de d. Laura (conto “O filho de Gabriela”), casada com o conselheiro Calaça.
Lima entendia ser o amor eterno praticamente impossível, sabia ser intrínseco à condição e natureza humanas a mutação dos  sentimentos – e em especial, responsável pelas transformações sentimentais, sensoriais e afetivas femininas. Daí enxergava a temporalidade do casamento, sua ‘não eternidade’, e preconizava o direito feminino de interrompê-lo, em ter  liberdade de escolha, buscar outro amor ao ter o casamento fracassado(ao contrário de d. Laura, quem vai encontrar no amante,dr. Benevenuto, “o que lhe exigiram a imaginação e a inteligência”, o homem superior que não há no marido é  justo Edgarda, em Numa e a ninfa) e com isso praticar o adultério – não aceito e punido pela sociedade, sem merecer no entanto vir a ser assassinada....
A defesa barretiana da mulher não se limitava à explicação da raiz do adultério: ia mais além, propondo a instituição do divórcio – como nas crônicas “No ajuste de contas”  e “Como budistas....” -- e uma reformulação jurídica da instituição do casamento , com propostas que, convertidas em lei, atingiriam no cerne todas as deformações implícitas no matrimônio, propiciariam a libertação da mulher do estado degradante que lhe era imposto e eliminariam o direito consuetudinário e quase legal de o marido poder praticar o uxoricídio em caso de adultério.
                               
feminismo

Casamento, adultério feminino, divórcio, uxoricídio constituem pressupostos à suposta - e equivocada - posição ‘anti-feminista’ de Lima Barreto. Opunha-se, isso sim, às forma,métodos,práticas e posturas do movimento feminista da época.
O movimento feminista brasileiro, iniciado no fim da década de dez séculos, antes de surgir como um bloco coeso, dividiu-se já em suas origens em algumas ramificações cada uma delas com líderes próprios e com algumas reivindicações idênticas e outras particulares, verdadeiras bandeiras das facções ou, como dizia  Lima Barreto, das “igrejas” ou “seitas”. Eram quatro: a de Mme Chrysanthème que “quer, para a mulher, a plena liberdade do seu coração, dos seus afetos, enfim dos seus sentimentos” (crônica “No ajuste de contas”); a liderada por Leolinda Daltro, denominada “Partido Republicano Feminino”, propugnando pelo direito da mulher; a de Berta Lutz, sob o nome de  “Liga pela Emancipação Intelectual da Mulher Brasileira” que tinha como bandeira a luta pelo ingresso da mulher na burocracia; e a facção conhecida por “Legião da Mulher Brasileira” que nomeara como presidente de honra a esposa do Presidente da República, d. Mary Saião Pessoa, contando também com o apoio da Igreja Católica. A principal reivindicação que as unia era a extensão do direito de voto à mulher.
Lima Barreto reduzia as facções a duas: o feminismo sufragista e o feminismo burocrático; o primeiro de “propriedade” de  Leolinda Daltro (que aparece como Deolinda nas crônicas; e na novela Numa e a ninfa, como a personagem  Florinda Seixas)  e o segundo de Berta Lutz ; à entidade de Mme Chrysanthème não dava muita importância e quanto à “Legião da Mulher Brasileira” se restringia a ironizar o caráter oficial da entidade.
Leolinda (ou Deolinda) Daltro e  Adalberta Lutz, que capitaneavam as posições feministas da época, eram os maiores objetos das críticas – contundentes, irreversíveis – de Lima. Com tais ‘lideranças’, dizia Lima,  as reivindicações feministas de sua entidade não estavam a propugnar por uma elevação da mulher, mas voltadas unicamente para elas,preocupadas apenas em  pleitear o direito de voto  para que uma faixa da elite pudesse usufruir das vantagens que estavam limitadas à cúpula política masculina. Até porque Lima não via no voto um elemento por meio do qual pudesse ser reformada a situação na Republica Velha – portanto o que as feministas pleiteavam pouco significava, era  mera acomodação ao sistema montado, ao qual ele nunca deixou de se opor. A denúncia de Lima contra o movimento feminista centrava-se em sua conivência com as práticas políticas de então, em termos de  corrupção, favorecimento, clientelismo, oportunismo.
Além do mais,e isso para Lima constituía questão crucial, o feminismo, como então praticado, esquecia-se totalmente da mulher pobre e da mulher negra – ambas, aliás, observava ele, tendo já conquistado lugar de operária, sem movimentos feminista, nas fábricas de tecidos e nas livrarias como empacotadoras de livros.(“Pergunto: esta mulher [uma velha negra] precisou do feminismo burocrata para trabalhar, e não trabalha ainda, apesar de sua adiantada velhice?”- crônica “Voto feminino”).
Neste particular, vale realçar que Lima  não só acatava a profissionalização da mulher -- mas causava-lhe  aversão ser ela realizada com intuitos interesseiros, circunscrita a benefícios para poucos e  no  proteger os já privilegiados; acusava “a maneira irregular e ilegal que tem presidido o provimento desses cargos,por moças e senhoras” (crônica “Voto feminino”)  -- não lhe negando  capacidade e condições de exercer um cargo público, por exemplo; como também propunha o aumento do número de Escolas Normais para que as mulheres tenham melhor educação e com isso pudessem  desempenhar papel importante na formação da criança, quer na escola, quer em casa (cf. crônicas do grupo “Educação feminina” e em “A poliantéia das burocratas”)..
Desse modo, segundo ele, as proposições profissionalizantes e eleitoreiras dos movimentos feministas apenas tinham em vista dar possibilidades de realização aos atributos menos importantes da mulher e  como bandeira a aspiração do menos elevado, fazendo a mulher simplesmente obter igualdade aos medíocres que compunham o sistema.Para Lima,  e sua concepção tão elevada da mulher, ela atuando junto ao homem, as exigências do feminismo só podiam ser encaradas como rebaixamento da condição feminina, portanto, censuráveis.
Em outro viés, enfatizando a deterioração do casamento como motivo do aviltamento da mulher, só reconheceria grandeza no movimento feminista da época se atacasse esse problema central: não o fazia,  ignorava-o. – “(...) contra tão desgraçada situação de nossa mulher, edificada com a estupidez burguesa e a superstição religiosa, não se insurgem os borra-botas feministas que há por aí (...).-crônica “Voto feminino”).
Lima Barreto  não via no movimento feminista nada de grandioso, de heróico, de superior, mas sim uma articulação feminina burguesa para meramente conseguir, por meios não legais, cargos públicos, onde a mulher, em lugar de realizar a sua natureza mais nobre, iria ter a possibilidade de exercitar o seu lado, segundo ele, mais vulgar. Via o movimento como eminentemente elitista, que nada mais buscava além de estender às mulheres os privilégios de que gozavam os medíocres que compunham o sistema. Sem o mínimo pendor social, limitava-se tão somente a reivindicar  direito a voto e a cargos públicos, constituía-se em aglutinação para tentar obter a extensão às mulheres das regalias de que gozavam os membros masculinos dos grupos dominantes.
De notável e inquestionável consciência social, avesso a qualquer forma de autoritarismo, intransigente  denunciante do drama das minorias no Brasil do final do século XIX --  negros e mestiços excluídos do mercado de trabalho no período pós-abolição, a exploração dos operários – Lima Barreto tratou com vigor a opressão contra as mulheres, não as que ele chamava “burguesa republicana alienada”,mas principalmente as humildes, pobres, algumas delas mulatas, submetidas a uma sociedade machista e injusta, submissas a pais ou padrastos ou irmãos, ou maridos ou noivos ou namorados dominadores e agressivos, a patrões e senhores exploradores,e em especial carentes de oportunidades de educação e limitadas a formação educacional e cultural insuficiente, alijadas de círculos sociais.

educação da mulher 

Especial era o olhar que Lima dedicava à  formação escolar da mulher e ao processo educativo a elas estabelecido. Foi acerbado crítico da carência de oportunidades educacionais às mulheres, e veemente defensor da obrigatoriedade de serem a elas conferidas melhores possibilidades de educação – o que, de resto, apenas confirmava a posição analítico-reflexiva que dispensava à mulher em sua ficção e nãoficção .
Na verdade, a maioria das mulheres do início do sécu­lo  via a educação simplesmente como um meio para se faze­rem mais agradáveis a seus companheiros ; não buscavam por uma emancipação intelectual – o que justamente levava  Lima a propugnar  por melhores oportunidades educacionais para o sexo feminino. As mulheres,via de regra, mantinham-se circunscritas à es­fera do lar, refletindo os padrões culturais da época:  predominava  o conceito de ser a mulher mais sentimental e amorosa do que intelectiva e filosófica. Segundo Lima, era essa essencialmente a causa de infelicidade existencial e conjugal da mulher. Além disso, estudavam ,em sua maioria, em colégios religiosos, o que era acentuadamente criticado por ele, sugerindo para as mulheres uma educação mais aberta, mais completa, mais eficiente.
Lima sustentava que somente por meio de uma instrução mais aprimorada a mulher, como ‘alicerce da família’, poderia abrir seus horizontes e dispor da  competência necessária para educar os filhos com discernimento. Para ele, a instrução feminina contribuía de forma decisiva para a do homem e seu engrandecimento enquanto ci­dadão: da educação dada aos filhos dependia o destino das gerações e conseqüentemente da sociedade.

mr


































                                 




























































sábado, 8 de março de 2014

Quem tem medo da literatura feminina / feminista ?

 não apenas pelo 8 de março , mas todos os dias de todos os anos!
                                                                ________________ 
Preconizada por Virginia Woolf, na década de 1930 [Virginia, irônica e realista, em conferência para jovens universitárias inglesas no Giron College, estabelecia as condições mínimas para que as mulheres atravessassem a fronteira física e psíquica da criação literária, ao declarar : “tendo um quarto para si e renda própria” -- ditames abrigados no livro A Room of One’s Own (Um quarto todo seu.) ], defendida pelas feministas  européias de 1970, uma ‘escrita feminina’ ganhou corpo (e forma) na literatura .
Mulheres escritoras (ficcionais e não-ficcionais) passaram a ter – ou adquiriram, por ‘méritos próprios de qualidade e personalidade  -- voz própria, estilo próprio, linguagem própria, temática própria, longe de “simplesmente reproduzirem modelos falocêntricos, caracterizados por racionalismos e pragmatismos”  acentua a ensaísta  Luce Irigaray:

Qual seria afinal uma ‘linguagem feminina’, como se expressa  um discurso essencialmente  ‘feminino’? existe afinal  uma voz especificamente feminina ?

Apesar das (para alguns, incontornáveis) dificuldades para uma definição precisa, entendo  -- e sustento, convicto -- existir uma linguagem literária feminina com elementos, valores e vetores próprios, nitidamente percebidos na prosa ficcional, na poesia  e no teatro, e que só fazem acrescentar e enriquecer a Literatura (e a Cultura, em geral) – linguagem marcada pela subjetividade, por uma escrita mais sensorial e sensível, mais poética, lírica , uma escritura com ‘o corpo e a alma’.
Na ficção feminina, o (originariamente ditado pelos cânones românticos) amor -- condimentado pelo erotismo, por vezes intenso -- deixa de ser tema absoluto para ceder espaço a sondagens existenciais, e até ao questionamento político e filosófico. Tudo isso traduzido e materializado em experiências formais e estilísticas : fragmentação narrativa, o ritmo ‘labiríntico’ no lugar da estrutura  linear, intertextualidade, tendência a impregnar a escrita com elementos de oralidade,  foco narrativo múltiplo,  intenso fluxo-de-consciência..

Certamente pode-se encontrar desses elementos na denominada ‘literatura masculina’– e efetivamente encontra-se: como negar serem essencialmente ‘femininas’ a linguagem literária, o estilo, a escrita de Marcel Proust, de Flaubert, de Balzac, ou muitas passagens de Tolstoi, e mesmo de Shakespeare, para citar gigantes da literatura universal – o que,de algum modo, desmistificaria esse tipo de distinção acentuada, da qual, enfatizo, não sou partidário. Gratifica-me bastante acentuar que a escrita feminina, marcante como é, ostenta suas características próprias, peculiares, plena de,digamos, ‘personalidade literária’, assim como a possui,em sua devida proporção, a ‘literatura  masculina’.  

E no que enfatizo as concretas existência e expressão de uma literatura feminina,vis a vis com  uma ‘literatura masculina’ [sic --  longe muito longe de ratificar, conforme certas críticas de contingentes assumidamente feministas, uma indesejável,digna de repúdio, “divisão de sexos”--  ao contrário justamente confiroe identidade própria e plena personalidade às linguagem,escrita e estilo praticados literariamente pela mulher.
A meu juízo,  valorizo-as, enalteço-as, dignifico-as.
                                                                                                                                                       MR
.
_______________

uma escrita feminina brasileira, sim

Muitos constataram — e comprovaram — a influência negativa da literatura em relação à posição da mulher na sociedade, "os literatos, romancistas e poetas explorando a concuspicência, a imoralidade e a luxúria que chamam amor; e naturalmente como nas relações entre senhor e escrava só pode haver obscenidade, os homens de talento produziram montanhas de livros onde a patologia mundana do amor é rebuscada ao mais íntimo e profundo limite." Com o tempo e a evolução dos conceitos sociais, almejada uma efetiva  mudança na sociedade, tornou-se imperativo repensar a condição feminina, enxergando a mulher, não como um complemento da família, mas como importante agente de mudanças pela função que exerce na sociedade.
No Brasil, o surgimento de mulheres escritoras ocorre principalmente a partir do século XIX, no contexto da crescente importância da imprensa e do início de movimentos em prol dos direitos das mulheres. Quando as questões relativas à emancipação feminina começaram a aparecer na imprensa, as mulheres se organizavam associativamente e passaram a reivindicar maior participação na sociedade em mudança. Ocorreram então os primeiros movimentos organizados tendo como principal objetivo a melhoria das condições de vida da mulher — desde que orientada pela ótica masculina. [afinal, na constituição da família brasileira sempre imperou o pater familias, ou seja, o poder  nas mãos do homem, responsável não só por seus escravos e agregados como também por sua mulher, filhos e netos — a família patriarcal como a célula mais importante da formação da sociedade; este poder social do homem advinha do direito consuetudinário e as próprias leis brasileiras asseguravam-lhe autoridade : os direitos civis no Brasil, basicamente, até 1890, eram uma extensão dos de Portugal, isto é, eram regidos pelas Ordenações Filipinas — o primeiro Código Civil Brasileiro só vigorou a partir de 1917. Na família monogâmica, criada para preservar o poderio econômico dentro de um mesmo grupo sangüíneo, exigia-se que a sexualidade feminina fosse rigorosamente controlada, pois era a única forma de que o homem dispunha para assegurar a paternidade e a herança familiar. ]
O que não impediu, porem, a formação de uma linhagem de mulheres militantes dentro da literatura (como personagens ou como autoras) e da sociedade (na militância política, por meio sobretudo do veículo jornalístico) que desenvolveram trabalho emancipatório preparador das condições que propiciariam, no século XX, a implementação e solidificação de um movimento que se  poderia chamar de estética feminista.
Na literatura brasileira, considera-se o romance Úrsula (1859), da maranhense Maria Firmina dos Reis, a primeira narrativa de autoria feminina. O romance reduplica os valores patriarcais, construindo um universo onde a donzela frágil e desvalida é disputada pelo bom mocinho e pelo vilão da história. Contrariando os finais felizes, a narrativa termina com a morte da protagonista, vítima da sanha do cruel perseguidor.
No entanto, de modo geral a  escrita praticada por mulheres esteve ausente dos anos decisivos para a formação da literatura brasileira durante o século XIX , na vigência do Romantismo – o que soa algo inusitado, porquanto justamente a mulher como leitora foi o grande,crucial, basilar elemento,primeiro pela prática de leitura no país, responsável pela existência e proliferação de escritores e da própria  literatura brasileira. Se não totalmente ausente do mercado, restrita a colaborações em periódicos de vida curta ou de público definido pela circulação no espaço doméstico (o que, de resto, significa em meados dos 1800  uma confirmação  antecessora   à  interpretação de Virgina Woolf, da década de 1930).. As primeiras manifestações de escrita feminina levadas oficial e intensamente ao público externo vieram no final do século XIX, já na ‘vigência’ do Realismo na literatura brasileira [paradoxal ? seria o Romantismo  ‘mais apropriado’ para a expressão da écriture féminine?, reflito...]
 Loas, todas as loas, portanto, para as pioneirissimas  Rita Joana de Souza, Ângela do Amaral Rangel, Barbara Heliodora, Maria Josefa Barreto, Beatriz Francisca de Assis Brandão, Maria Clemência Silveira, Delfina Benigna da Cunha, Ildefonsa Laura Cesar, Ana Euridice de Barandas, Nisia Floresta, Violante de Bivar e Velasco, Alta de Souza, Clarinda da Costa Siqueira, Joana Paula de Noronha, Ana Luisa de Azevedo Castro, Maria Firmina dos Reis, Adelia Fonseca, Maria Benedita de Oliveira Barbosa (Zaira Americana), Maria Angélica Ribeiro, Isabel Gondim, Maria do Carmo de Melo Rego, Rita Barém de Melo, Joaquina Meneses de Lacerda, Ana Ribeiro, Julia da Costa, Amália Figueiroa, Luciana de Abreu, Serafina Rosa Pontes, Adelina Vieira, Josefina Álvares de Azevedo, Carmem Dolores, Narcisa Amália, Gabriela de Andrada, Maria Benedita Bormann, Inês Sabino, Anália Franco, Delminda Silveira, Adelaide de Castro Guimarães, Honorata  Carneiro de Mendonça, Carmen Freire, Emilia Freitas, Vitalina de Camargo Queirós, Ana Facó, Francisca Izidora da Rocha, Maria Carolina Corcoroca de Souza, Ana Autran, Corina Coaraci, Luísa Leonardo, Alexandrina Couto dos Santos, Ana Aurora do Amaral Lisboa, Revocata Heliosa de Melo, Anna Alexandrina Cavalcanti de Albuquerque. Até entrarmos o século XX com Júlia Lopes de Almeida, chegar a Gilka Machado e Maria Lacerda de Moura. 
[ sob o terrível risco de não elencar aqui todas as escritoras de hoje, o que seria praticamente impossível,contemporaneamente a escrita feminina brasileira encontra  expoentes, entre outras, em: Clarice Lispector, Cecilia Meireles, Maria Alice Barroso, Maria Helena Cardoso,Rachel de Queiroz, Lygia Fagundes Teles, Nélida Piñon, Sonia Coutinho, Ana Cristina César ,Hilda Hist, Adélia Prado, Lya Luft,Zelia Gattai, Ana Miranda, Marina Colasanti, Lygia Bojunga Nunes, Nilma Gonçalves Lacerda, Maria Adelaide Amaral, Luzilá Gonçalves Ferreira, Myriam Campelo. E entre as mais novas, Heloisa Seixas, Patricia Melo, Fernanda Young ; e nas novissimas, Carmen Oliveira, Adriana Lisboa, Maria Conceição Góes, Clarah Averbuck, Cíntia Moscovich , Leticia Wierzchowski. O ensaísmo abriga Flora Sussekind, Heloisa Buarque de Holanda, Leyla Perrone-Moisés, Walnice Nogueira Galvão, Lucia Abreu, Regina Zilbermann, Nelly Novaes Coelho, Marisa Lajolo, Marilena Chuaí, Marilene Felinto, Eliane Vasconcelos, Beatriz Resende. E outras e outras e outras, muitas outras...]   
   
os homens e as mulheres

Naquele  século XIX e na primeira quadra do século XX, no entanto, não foram apenas elas que escreveram ‘sobre elas ou para elas’: quatro  escritores-homens se destacaram por voltar-se, em graus e enfoques diferentes, para as mulheres.: Joaquim Manuel de Macedo descreveu-a e tratou-a como “donzela de irrepreensíveis pendores” em especial em A Moreninha e em inúmeros contos.  José de Alencar traçou o mais completo retrato da mulher ‘urbana’ da corte, no Brasil pós-Independência, no auge do romantismo, notadamente na trilogia  Senhora, Diva e Lucíola, além de nas novelas Cinco minutos e  A viuvinha ,e nos romances   A pata da gazela, Sonhos d'ouro, Encarnação.  
Há de se destacar, porém, Lima Barreto: debruçou-se como ninguém sobre a mulher ‘republicana’ : primeiro na década de 1910, ao desenvolver o “tema de Carmen” , uma série de artigos e crônicas  em jornais e revistas nas  quais a propósito de crimes ou julgamentos,  ataca os homens “que se atribuem direitos sobre a vida das mulheres”, denunciando crimes de uxoricídio, nos quais homens matavam “mulheres infiéis”— e pior eram absolvidos nos julgamentos por “legítima defesa da honra”; e ao longo de toda sua produção croniquesca em jornais e revistas tratar de questões como movimento feminino, voto feminino, direitos femininos.
A rigor, Lima Barreto , que nunca silenciou sobre seu tempo, não poderia mesmo  ficar alheio à situação da mulher na realidade social brasileira do início do século XX, época de tantas e profundas transformações na sociedade. Retratou e a fez personagem em  contos e romances, escreveu sobre a mulher em artigos e crônicas, publicadas em jornais e revistas — sob um  caráter de ambigüidade,ora a criticando, por vezes atacando, ora a defendendo, muitas vezes enaltecendo : diz-se “antifeminista”, põe-se abertamente contra os movimentos feministas, mas defende a necessidade de instrução para a mulher ; repele o ingresso da mulher no serviço público (“... rendosos cargos para as mulheres das classes sociais mais favorecidas : e as reivindicações das operárias ?...”), mas defende o divórcio ; imbuído da moral do seu tempo, retrata a mulher pela ótica comum,  Lima destila sua ácida  ironia crítica sobre a mulher ,mas denuncia sua “absurda” situação de dependência aos homens . Longe, muito longe da falsa, equivocada acusação de  misoginia, posicionado na realidade contra o movimento feminista brasileiro — o que ele denominava “feminismo bastardo, burocrata”— não contra as mulheres,e sim como ojeriza aos signos do progresso republicano, Lima Barreto sempre dá à mulher espaço significativo em sua obra ficcional e não-ficcional : nos romances, contos, artigos e crônicas, apontamentos e notas, comenta a situação da mulher perante o casamento; a viuvez; as oportunidades educacionais e profissionais; a moral que lhe é imposta pelo duplo valor; a desigualdade de julgamento do adultério masculino e do feminino; o mundo da prostituição e o início do movimento feminista no Brasil — e sobretudo defende intransigentemente a mulher “que são “como todos nós, sujeitas, às influências várias que fazem flutuar as suas inclinações, as suas amizades, os seus gostos, os seus amores". Uma ambigüidade implícita e explícita em seus artigos não permeia o retrato da mulher elaborado em seus romances, novelas e contos, em que elas  têm sempre atitude e comportamento progressista, são superiores aos maridos (exemplos de Olga e Edgarda em Triste fim de Policarpo Quaresma; Clara e Castorina em Clara dos Anjos; Efigênia em O cemitério dos vivos; Cecília de Diário íntimo , Cló, Adélia, Lívia em Histórias e sonhos; muitas outras em contos, etc) 
Porém, nenhum escritor brasileiro do período ‘edificou’ tanto a mulher como personagem capital e leitmotiv básico de seus textos como Machado de Assis. Ele  escrevia sobre mulheres e para mulheres. Amores e frustações femininos eram temas constantes, sempre presentes o ciúme, o adultério, a prostituição, e as personagens femininas ocupam lugar privilegiado, lugar de destaque em todos os romances e na maioria dos contos.E mais :Machado sempre escreveu para periódicos cujo público era predominantemente feminino, primeiro no Jornal das Famílias ,depois em A Estação.
Nas entrelinhas de seus contos, romances, e também de suas crônicas, Machado sempre chamou atenção para as necessidades e os direitos da vida afetivo-sexual de suas leitoras: argumentava que a mulher devia receber instrução e não ficar confinada à vida doméstica, tendo direito ao amor e à liberdade -- daí, seus temas mais constantes: o ciúme e o adultério. Machado trouxe à luz a questão da sexualidade feminina ,a exemplo de Flaubert, Balzac, Eça, e mais tarde Freud . [aliás, como Roberto Schwarz diz , “Machado é um autor que em 1880 está dizendo coisas que Freud diria 25 anos depois” -- nos romances, principalmente da ‘segunda fase’, Machado capta de forma aguda, a la Freud, as sutilezas do ‘discurso do desejo inconsciente’,  descreve conflitos e enfatiza o inconsciente, sua obra como o principal elemento/vetor de pontos de interseção entre a literatura e a psicanálise ; a percepção acentuada do funcionamento do psiquismo humano na verdade vem desde as primeiras obras.]
Na maioria dos romances, a mulher é o elemento forte, põe o homem dependente, é também o esteio, a base da relação. Há matriarcas que dominam e comandam propriedades e a família, a figura masculina sendo até desnecessária; é  comum no romance machadiano, que retrata a sociedade de seu tempo, mulheres fortes, viúvas que não mais casam, como em Iaiá Garcia, Dom Casmurro, Casa Velha, Memorial de Aires. Em toda sua obra, Machado enfatizou o personagem feminino: mesmo em sua primeira fase, Livia, Guiomar, Helena, Iaiá Garcia, Lalau já dominavam; na segunda fase, as mulheres -- Marcela, Virgília, Sofia, Capitu, Fidélia, Carmo --são personagens de grande densidade psicológica
Um número surpreendente de contos são o que pode ser catalogado como  ‘estudos sobre a mulher’: “Singular ocorrência”; “Capítulo dos chapéus”; “Primas de Sapucaia!”; “Uma senhora”; “Trina e una”;  “Noite de almirante”; “A senhora do Galvão”; “Missa do galo”; “D. Paula”, encenam vários tipos femininos e situações com as quais as mulheres se defrontam na vida comum . Em todos, estão presentes os elementos básicos da ficção machadiana: ciúme, adultério, e prostituição.
Para muitos estudiosos, Machado era mesmo ‘feminista’ (eu, particularmente, não chego a tanto...)-- e a cada leitura de seus contos,  romances e crônicas nos damos conta da sutileza e da abrangência desse feminismo.
 ________
 mço.2014


segunda-feira, 3 de março de 2014

Carnaval e Futebol

pelo olhar crítico de Lima Barreto -- que a ambos, carnaval e futebol, dados como "paixões brasileiras",repudiava não por eles em si mas pelas injunções e incidências de elementos sociais e ideológicos.
na crônica de 7 fevereiro 1922, ambas as manifestações já bastante popularizadas e  devida e solidamente implementados na sociedade e na vida prática carioca, recebem de Lima dupla e integrada menção, destilada sua contumaz ironia crítica, no cenário de seu amado subúrbio.
                                                                 _________________

Bailes e divertimentos suburbanos
                                                                Gazeta de Notícias, 07.02.1922.
       Há dias, na minha vizinhança, quase em frente à minha casa, houve um baile.      Como tinha passado um mês enfurnado na minha modesta residência, que para enfezar Copacabana denominei "Vila Quilombo", pude perceber todos os preparativos da festa doméstica: a matança de leitões, as entradas das caixas de doces, a ida dos assados para a padaria, etc.
           Na noite do baile, fui deitar-me cedo, como sempre faço quando me resolvo a descansar a sério. Às 9 horas, por aí assim, estava dormindo a sono solto. O baile já havia começado e ainda com algumas polcas repinicadas ao piano. Às 2 e meia, interrompi o sono e estive acordado até às 4 da madrugada, quando acabou o sarau. A não ser umas barcarolas cantadas em italiano, não ouvi outra espécie de música, a não ser polcas adoidadas e violentamente sincopadas, durante todo esse tempo.
          O dia veio se fazer inteiramente. Levantei-me da cama e, dentro em breve, tomava o café matinal em companhia de meus irmãos.
Perguntei a minha irmã, provocado pela monótona musicaria do baile da vizinhança, se nos dias presentes não se dançavam mais valsas, mazurcas, quadrilhas ou quadras, etc. Justifiquei-lhe o motivo da pergunta.
- Qual! - disse-me ela. - Não se gosta mais disso... O que apreciam os dançarmos de hoje, são músicas apolcadas, tocadas "a la diable", que servem para dançar o tango, fox-trot, rang-time, e...
- "Cake-walk"? - perguntei.
- Ainda não se dança, ou já se dançou; mas agora, está aparecendo um tal de "shimmy".
         Nunca vi dançar tal coisa, nem me tenta vê-lo; mas a informação me fez lembrar do que era um baile familiar há vinte anos passados. O baile, não sei se é, era ou foi, uma instituição nacional, mas tenho certeza de que era profundamente carioca, especialmente suburbano.
           Na escolha da casa, presidia sempre a capacidade da sala de visitas para a comemoração coreográfica das datas festivas da família. Os construtores das casas já sabiam disso e sacrificavam o resto da habitação à sala nobre. Houve quem dissesse que nós fazíamos casa, ou as tínhamos para os outros, porque a melhor peça dela era destinada a estranhos.
         Hoje, porém, as casas minguam em geral, e especialmente, na capacidade dos seus aposentos e cômodos. Nas salas de visitas das atuais mal cabem o piano e uma meia mobília, adquirida a prestações. Meia dúzia de pessoas, numa delas, estão ameaçadas de morrer asfixiadas com as janelas abertas. Como é que elas podem comportar um baile à moda antiga, em que dançavam dúzias de pares? Evidentemente, não. Isto acontece com as famílias remediadas; com as verdadeiramente pobres, a coisa piora. Ou moram em cômodos ou em casitas de avenidas, que são um pouco mais amplas do que a gaiola dos passarinhos.
Por isso entre a gente média os bailes estão quase desaparecendo dos seus hábitos; e, na gente pobre, eles ficaram reduzidos ao mínimo de um concerto de violão ou a um recibo de sócio de um clube dançante na vizinhança, onde as moças vigiadas pelas mães possam pirutear em salão vasto.
       O meu amigo Sussekind de Mendonça, no seu interessante livro  O esporte está deseducando a mocidade brasileira , refere-se à licenciosidade das danças modernas.
       
Hei de falar mais detidamente sobre esse vigoroso livro: agora, porém, cabe só uma observação. Mendonça alude ao que se passa no "set" carioca; mas pelo que me informam, o subúrbio não lhe fica atrás. Nos tempos idos, essa gente verde das nossas elegâncias - verde é sempre uma espécie de argot - sempre mutável e variável de ano para ano, - desdenhava o subúrbio e acusava-o falsamente de dançar maxixe; hoje, não há diferença: todo o Rio de Janeiro, de alto a baixo, incluídos os Democráticos e o Music-Club das Laranjeiras, o dança.
          Há uma coisa a notar: é que esse maxixe familiar não foi dos "Escorregas" de Cascadura para o Acchilleon do Flamengo; ao contrário, veio deste para aquela.
         O meu estimado Mendonça atribui o "andaço" dessas danças desavergonhadas ao futebol. O sr. Antônio Leão Veloso achou isso exagerado. Pode haver exagero - não ponho em dúvida tal coisa - mas o tal de futebol pos tanta grosseria no ambiente, tanto desdém pelas coisas de gosto, e reveladoras de cultura, tanta brutalidade de maneiras, de frases e de gestos, que é bem possível não ser ele isento de culpa no recrudescimento geral, no Rio de Janeiro, dessas danças luxuriosas que os hipócritas estadunidenses foram buscar entre os negros e os apaches. Convém notar que, entre esses retardados exemplares da nossa humanidade, quando em estado selvagem, semelhantes danças não têm a significação luxuriosa e lasciva que se julga. Fazem parte dos rituais dos seus Deuses, e com elas invocam a sua proteção nas vésperas de guerras e em outras ocasiões solenes.
           Passando para os pés dos civilizados, elas são deturpadas, acentuadas na direção de um apelo claro à atividade sexual, perdem o que significavam primitivamente e se tornam intencionalmente lascivas, provocantes e imorais.
Isto, porém, não nos interessa, porque não interessa tanto ao subúrbio como ao "set" carioca, que dançam "one-step" e o tango argentino, e nessas bárbaras danças se nivelam. O subúrbio civiliza-se, diria o saudoso Figueiredo Pimentel, que era também suburbano; mas de que forma, santo Deus?
           Quando fui morar naquelas paragens não havia noite em que voltando tarde para casa, não topasse no caminho com um baile, com um chôro, como se dizia na gíria do tempo. Havia famílias que davam um por mês, fora os extraordinários, e havia também cavalheiros e damas que não faltavam a eles, além de irem a outros de famílias diferentes.
       Eram célebres nos subúrbios, certos rapazes e moças, como tipos de dançarinos domésticos. Conheci alguns, e ouvi muitos falar neles. Lembro-me bem, dentre eles, de uma moça que, às vezes, atualmente ainda encontro, gordinha, com dois ou três filhos que lhe dão um imenso trabalho para acomodar nos bondes. Chamavam-na Santinha, e tinha uma notoriedade digna de um poeta de "Amor" ou de um gatimanhas de cinematógrafo. Não' era bonita na rua, longe disso. A sua aparência era de uma moça como muitas outras, de feições miúdas, sem grande relevo, cabelos abundantes e sedosos.          Tinha, porém, um traço próprio, pouco vulgar nas moças. A sua testa era alta e reta, testa de deusa a pedir um diadema. Era estimada como discipula de Terpsícore burguesa. A sua especialidade estava na valsa americana que dançava como ninguém. Não desdenhava as outras contradanças, mas a valsa era a sua especialidade. Dos trezentos e sessenta e cinco dias do ano, só nos dias de luto da semana santa e no de finados, não dançava. Em todos os mais, Santinha valsava até de madrugada. Dizia a todos que, por tanto dançar não tinha tempo de namorar. De fato, sempre requestada para esta e aquela contradança, via tantos e tantos cavalheiros, que acabava não vendo nenhum ou não firmando a fisionomia de nenhum.
            Se não era bela na rua, em atitude comum de passeio, valsando ficava outra, tomava um ar de sílfide, de divindade aérea, vaporosa e adquiria um ar esvoaçante de visão extra-real. Fugia ao solo e como que pairava no espaço...
Os que a viram dançar e me falam dela, até hoje não escondem a profunda impressão que a moça, ao valsar, lhes causou; e quando hoje, por acaso, a encontro atrapalhada com os filhos, penso de mim para mim: para que essa moça se cansou tanto? Chegou afinal ao ponto em que tantas outras chegam com muito menos esforço...
         O "pendant" masculino de Santinha era o seu Gastão. Baile em que não aparecia seu Gastão, não merecia consideração. Só dançava de "smoking", e o resto do vestuário de acordo. Era um rapaz de boa altura, simpático, grandes e bastos bigodes, de uma delicadeza exagerada; A sua especialidade não era a valsa; era o "pas-de-quatre", que dançava com ademanes de dança antiga, de minueto ou de coisa parecida. Fazia cumprimentos hieráticos e dava os passos com a dignidade e convicção artística de um Vestris. Seu Gastão ainda existe, e prosperou na vida. Quando rei suburbano do "pas-de-quatre" era empregado de um banco ou de um grande escritório comercial. Hoje é diretor-gerente de uma casa bancária, está casado, tem filhos, mora em Conde de Bonfim, numa vasta casa, mas raramente dá bailes. Dançou para a vida inteira e também pelos filhos e filhas.
        Nesses bailes suburbanos, o mártir era o dono da casa: Seu Nepomuceno começava por não conhecer mais da metade da gente que, transitoriamente, abrigava, porque Cacilda trazia Nenê e esta o irmão que era namorado daquela - a única cuja família tinha relações com a do Seu Nepomuceno; e, assim, a casa se enchia de desconhecidos. Além destes subconvidados, ainda existiam os penetras. Chamava-se assim certos rapazes que, sem nenhuma espécie de convite, usavam deste ou daquele truque, para entrar nos bailes - penetrar.
        Em geral, apesar da multidão dos convidados, essas festas domésticas tinham um grande cunho de honestidade e respeito. Eram raros os excessos e as danças, com o intervalo de um hora, para uma ceia modesta, se prolongavam até o clarear do dia sem que o mais arguto do sereno pudesse notar uma discrepância nas atitudes dos pares, dançando ou não. Sereno, era chamado o agrupamento de curiosos que ficavam na rua a espiar o baile. Quase sempre era formado de pessoas das vizinhanças e outras que não haviam sido convidadas e lá se postavam para ter assunto em que baseassem a sua despeitada crítica.
       Esses bailes burgueses não eram condenados pela religião. Se algumas nada diziam, calavam-se. Outras até elogiavam. O puritanismo era francamente favorável a eles. Afirmava ele, pela boca de adeptos autorizados, que essas reuniões facilitavam a aproximação dos moços de dois sexos, cuja vida particular a cada um deles se fazia isoladamente, sem terem ocasião de trocar impressões, sem comunicarem mutuamente quais os seus anelos, quais os seus desgostos, favorecendo tudo isso os saraus familiares.
         Estou certo de que os positivistas, hoje, julgariam que os atuais bailes aproximam por demais os sexos, e... "anathema sit".
           O pequeno povo porém ainda não sabe o "fox-trot", nem o "shimmy". Nos seus clubes, ao som do piano ou de estridulantes charangas, dança ainda à antiga; e, no recesso do lar com um terno de flauta, um cavaquinho e violão ou sob o compasso de um prestativo gramofone, ainda volteia a sua valsa ou requebra uma polca, extraordinariamente honesta em comparação com os tais "steps" da moda.
           Sem receio de errar, entretanto, pode-se dizer que o baile familiar e burguês, democrático e efusivo, está fora da moda, nos subúrbios. A carestia da vida, a exigüidade das casas atuais e a imitação da alta burguesia desfiguraram-no muito e tendem a extingui-lo.
        O violão e a modinha que Catulo, com sua tenacidade, com o seu talento e a sua obediência cega a um grande ideal, dignificou e tornou capaz da atenção dos intelectuais, vão sendo mais prezados e já se fazem encantos dos saraus burgueses em que, pelas causas apontadas, as danças mínguam. É pena que para um Catulo, artista honesto, sob todos os pontos de vista, haja uma dezena de Casanovas disponíveis, que, maus de natureza e sem talento algum, se servem da arte reabilitada pelo autor de Sertanejo, a fim de, por intermédio de horríveis cantarolas, levarem a desgraça a lares pobres e perder moças ingênuas e inexperientes. Há por lá monstros desses que contam tais proezas às dezenas.  É o caso de imitar o outro e escrever: "O Código Penal e a inutilidade das leis".
         Uma outra diversão que, antigamente, os suburbanos apreciavam muito e hoje está quase morta, era a do teatrinho de amadores. Quase todas as estações tinham mantido um Clube. O do Riachuelo, teve a sua meia hora de celebridade; possuía um edifício de razoáveis proporções; mas desapareceu, e, atualmente, foi transformado em escola municipal. O que havia de característico na vida suburbana, em matéria de diversão, pouco ou quase nada existe mais. O cinema absorveu todas elas e, pondo de parte o Mafuá semi-eclesiástico, é o maior divertimento popular da gente suburbana.
          Até o pianista, o célebre pianista de bailes, ele arrebatou e monopolizou.
Nada tem, porém, de próprio ao lugar, é tal e qual outro e qualquer cinema do centro ou qualquer parte da cidade em que haja pessoas cujo gosto de se divertir no escuro arrasta a ver-lhes as fitas durante hora e tanto.
       O futebol flagela também aquelas paragens como faz ao Rio de Janeiro inteiro. Os clubes pululam e os há em cada terreno baldio de certa extensão.
         Nunca lhes vi uma partida, mas sei que as suas regras de bom-tom em nada ficam a dever às dos congêneres dos bairros elegantes.
        A única novidade que notei, e essa mesma não me parece ser grave, foi a de festejarem a vitória sobre um rival, cantando os vencedores pelas ruas, com gambitos nus, a sua proeza homérica com letra e música da escola dos cordões carnavalescos. Vi isto só uma vez e não garanto que essa hibridação do samba, mais ou menos africano com o futebol anglo-saxônio, se haja hoje generalizado nos subúrbios. Pode ser, mas não tenho documentos para tanto afiançar.
        Resta-nos o Carnaval; é ele, porém, tão igual por toda a parte, que foi impossível, segundo tudo faz crer, ao subúrbio dar-lhe alguma coisa de original. Lá, como na Avenida, como em Niterói, como em Maxambomba, como em todo este Brasil inteiro, são os mesmos cordões, blocos, grupos, os mesmos versos indignos de manicômio, as mesmas músicas indigestas e, enfim, o Carnaval em que como lá diz Gamaliel de Mendonça, no seu último livro - Revelação: - Os homens são jograis; as mulheres, bacantes. -
      O subúrbio não se diverte mais. A vida é cara e as apreensões muitas, não permitindo prazeres simples e suaves, doces diversões familiares, equilibradas e plácidas. Precisa-se de ruído, de zambumba, de cansaço, para esquecer, para espançar as trevas que em torno da nossa vida, mais densas se fazem, dia para dia, acompanhando "pari-passu" as suntuosidades republicanas.
       Ele não mais se diverte inocentemente; o subúrbio se atordoa e se embriaga não só com o álcool, com a lascívia das danças novas que o esnobismo foi buscar no arsenal da hipocrisia norte-americana. Para as dificuldades materiais de sua precária existência, criou esse seu paraíso artificial, em cujas delícias transitórias mergulha, inebria-se minutos, para esperar, durante horas, dias e meses, um aumentozinho de vencimentos...
                                                           
 ________
[Lima Barreto cita, pela primeira vez, o escritor Carlos Sussekind de Mendonça , em 1921 editor do jornal A Época, do Rio de Janeiro — ano em que com apenas 19 anos de idade publicou o livro O sport está deseducando a mocidade brasileira (Empresa Brasil Editorial, Rio de Janeiro, 1921),com o subtítulo “dedicado a Lima Barreto”, hoje obra raríssima . Sussekind  de imediato, ainda em 1919, incorporou-se à luta de Lima Barreto contra o futebol, que ele considerava entre outros aspectos “micróbio de corrupção e imbecilidade”, “estrangeirismo estéril e inútil”. Propunha sobretudo combater , de todas as formas, a “nefasta defesa do futebol” feita por intelectuais e escritores — rejeitando, inclusive, qualquer teoria de que “o esporte possa manter alguma relação com a razão e o intelecto” — e denunciar as “verdadeiras atrocidades,até dentro dos próprios clubs” promovidas pelo futebol: como Lima Barreto, enfatizava o “blefe de  regeneração social” contido no futebol e os malefícios “físicos, sanitários,sociais e culturais” de sua disseminação “que só pode ser bocado de feitiçaria” em campos “onde se apinham centenas de ociosos assistindo inertes, a transpirar, os vinte e dois heróis de maxambona ou caixa pregos” .Lima Barreto veio ainda a publicamente agradecer e fazer comentários ao livro de Sussekind   em abril de 1922.]